quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

O ABSURDO DO FACEBOOK


Mark Zuckerberg também ficou conhecido por ser "o mais jovem bilionário da História".
(Já o era aos 25 anos.) E o Facebook passou de "mais uma rede social" (em 2004) para "a" rede social (2010): The Social Network.
Hoje quase ninguém mais se lembra do Orkut, que já foi febre no Brasil. Muito menos do Friendster, a primeira de todas.
E, menos ainda, do MySpace, que conseguiu seduzir até um velho dinossauro como Rupert Murdoch. O fato é que o assunto "Facebook" está à beira da exaustão - o que muitos especialistas apontam como o auge da valorização do sit e (antes da queda). Além do livro e do filme, já havia sinais, desde que o Facebook ultrapassou o Google em visitação, nos EUA, atingindo, posteriormente, 500 milhões de usuários no mundo.
O Twitter, que pretendia 1 bilhão de usuários, contentou-se com uma aparição no programa de Oprah Winfrey, o máximo de exposição em sua carreira, igualmente, meteórica. (E o Google tentou comprar o Twitter; e o Facebook acabou comprando o FriendFeed...)
A especulação deixa de sê-lo, contudo, quando o Goldman Sachs anuncia que vai comercializar as ações do Facebook, numa das maiores IPOs da História. E, para provar que é bom negócio, o Goldman investe do seu próprio bolso (no Facebook).
Muita gente estrilou, por dois motivos. Primeiro p orque o Goldman foi "resgatado" pelo governo, durante a crise de 2008. Logo, não poderia estar, novamente, envolvido num investimento de risco (envolvendo, em última instância, o dinheiro dos contribuintes).
Em segundo lugar, porque investir o próprio dinheiro (até onde esse dinheiro pode ser "próprio") não significa muita coisa, afinal o Goldman vai lucrar muito mais, se o Facebook efetivamente for "a maior IPO da História". Quem lança essa tese é Douglas Rushkoff, um analista sobrevivente (desde a primeira bolha de internet, em 2000).
Rushkoff não compara o Facebook com o MySpace (outro fiasco), nem com o Orkut (que só touxe processos ao Google), nem com o YouTube ou o PayPal, valuations "recentes", mas, sim, com a America Online.
A AOL foi, se é possível lembrar , "maior que a internet", antes da internet. E a AOL se fundiu com a Time Warner, quando estava no auge, numa tentativa desesperada de aproveitar a onda e adquirir ativos do chamado "mundo real". Rushkoff lembra que a fusão foi um desastre, que acabou sendo desfeita, e que Steve Case, outrora gênio da internet, teve de se contentar com aparições em eventos como os do blog TechCrunch (aliás, vendido para a mesma AOL, que subsiste...).
Toda a discussão retorna ao encontro memorável entre Jason Calacanis e David Heinemeier Hansson, da 37Signals, que encarnavam, respectivamente, o capitalismo das bolhas, "estilo" Facebook, e o "capit alismo real", estilo "economia real". Hansson argumentava que valorizações estapafúrdias não ajudavam os negócios na internet, criando expectativas incomensuráveis, eternamente condenadas à frustração.
Calacanis contra-argumentava que investidores bilionários, ou até simples milionários, queriam negócios cada vez maiores, e que as bolhas faziam, sim, parte do jogo. Não se sabe, exatamente, quem serão os ganhadores e os perdedores, nesta rodada, mas as apostas, no Facebook, já giram em torno de 50 bilhões de dólares...
Julio Daio Borges (Digetivo Cultural)

4 comentários:

ROSA SONHADORA disse...

Puxa, maravilha sua postagem, parabens !

ROSA SONHADORA disse...

CACOSDELETRAS, não poderia estar melhor, sabia que tenho muito orgulho de vc.

Rosa Mattos disse...

Com licença, estava procurando blogs de poemas e achei o seu.

Coincidência, acabei de assistir o filme A Rede Social. Fiquei um tanto enojada, apesar de ter achado o filme (direção, elenco, trilha sonora) ótimos.

Agora vou dar uma olhada nas outras postagens. *abraços/!

Rosa Mattos disse...

olá, Geraldo, muito obrigada pelo comentário e por colocar link do me blog aqui no Cacos. Farei o mesmo com o seu, lá no Contos.

Visitei seu site. Li todos os poetrix e crônicas. Os poemas são românticos, nostálgicos, lúcidos, maduros. A crônica que eu gostei mais foi 'Meu Vício'. Ri com o poetrix do rato no sapato e aquele do mentes que mentem achei genial(Mentira/verdade abstrata/Que você inventou).

Parabéns. E sim, pode continuar usando aquele tratamento. rs